Tecnologia e Métodos de Gestão de Pessoas

Matriz 9 Box: o bom e o mau uso em Gestão de Pessoas

Matriz 9 box em gestão de pessoas
A Matriz 9 Box pode ser uma aliada para a sua empresa, principalmente, no que se refere à gestão de pessoas. Mas você sabe como usar corretamente? Descubra já!
Tempo de leitura 5 min

A Matriz 9 Box para orientar planos e decisões de gestão de pessoas pode ser um bom instrumento. Entretanto, dependendo do uso que se faz, ela vai mais atrapalhar do que ajudar. Por isso, se você usa, ou pretende usar a matriz 9 Box na sua empresa, leia este artigo e evite que isso aconteça!

O que é Matriz 9 Box?

A matriz 9 Box, no campo da gestão de pessoas, é um instrumento utilizado nos processos de avaliação. Ela mostra a relação entre as competências dos colaboradores e o seu desempenho. Em outras palavras, indica o quanto as competêncas do colaborador se trasformam em entregas de valor para a empresa. Dessa forma, ela orienta várias decisões de RH, servindo, inclusive, para avaliar o potencial de uma pessoa para evoluir na carreira e ocupar cargos estratégicos na empresa.

Origem da matriz 9 Box

A McKinsey criou a Matriz 9 Box no início da década de 70, para avaliar o potencial das várias unidades de negócios da GE, com o intuito de embasar as decisões e planos relacionados a essas unidades.


Representação da Matriz 9 Box
McKinsey / GE – Cohros

Na versão original, o eixo y mostrava o índice de atratividade da empresa no mercado, e o eixo x, mostrava o índice da força competitiva da empresa. E esses índices eram o resultado da avaliação de vários fatores. Já o cruzamento desses índices, definia a classificação da empresa. Por isso, dependendo do quadrante em que uma unidade de negócio era classificada, ela poderia ser descontinuada ou receber investimentos.

Adoção da Matriz 9 Box pelo RH

Dentro dessa lógica, o RH adotou a matriz para avaliar o potencial dos colaboradores.

E da mesma forma que na matriz da GE, o eixo X mostra o índice da avaliação de desempenho. Já o eixo Y mostra o índice da avaliação de competências. E por isso, a classificação dos profissionais avaliados na matriz passou a orientar ações de gestão de pessoas. Mais especificamente, passou a fundamentar decisões de promoção, carreira, sucessão, bônus etc. Quanto mais alto forem os índices de desempenho e de competências, maiores as oportunidades dos avaliados. Isso significa maiores chances de reconhecimento, crescimento e valorização profissional.

Índices de desempenhos e competências

Os índices da avaliação de desempenho, bem como os índices da avaliação de competências são gerados por uma média. Em outras palavras, avalia-se várias competências e desempenhos para gerar os índices que vão para a matriz. Da mesma forma que cria-se os índices de atratividade e da força competitiva das unidades da GE. Nesse sentido, a Matriz 9 Box pode ser um recurso de valor para o RH na gestão de desempenho e na gestão de pessoas em geral.

Deficiências no uso da Matriz

A Matriz 9 Box pode ser um valioso recurso de análise para a gestão de pessoas, mas para que isso ocorra, as competências precisam ser bem definidas e bem avaliadas. E é aí que mora o problema, pois sabemos que as avaliações de competências sofrem uma alta carga de subjetividade que distorce a realidade!

avaliação de desempenho deveria ser um contrapeso interessante à subjetividade das avaliações de competências, mas esse contrapeso só ocorre se medimos o desempenho sustentado por indicadores. Só que, grande parte das empresas são carentes de medidas de desempenho, indicadores e metas, e por isso, lamentavelmente, a avaliação de desempenho também carrega uma boa dose de subjetividade.

Realidade x Cenário da Matriz 9 Box

Como consequência da subjetividade do processo de avaliação, o resultado mostrado pela Matriz 9 Box, com grande frequência não corresponde à realidade. Na verdade, a matriz costuma mostrar um resultado melhor do que o contexto real. Por essa razão, é muito comum a diretoria da empresa desconfiar dos resultados apresentados!

Calibração da Matriz 9 Box

Para “corrigir” o problema provocado pela subjetividade das avaliações, a solução mais comum adotada pelas empresas é a calibração da matriz.

A calibração envolve o reenquadramento de alguns colaboradores de um quadrante para outro. Essa ação geralmente é realizada por um comitê, que decide alterar ou não a classificação de um colaborador na matriz.

Embora a calibração ocorra com base em um consenso, esse consenso é baseado nas opiniões e julgamentos dos membros do comitê. Dessa forma, carrega-se a subjetividade para a Matriz 9 Box do mesmo jeito. Isso é um contrasenso, visto que a matriz tem fundamentos matemáticos. É um recurso usado justamente para trazer dados mais concretos para orientar planos e decisões. Então, é um paradoxo alterar os dados da matriz de forma subjetiva!

Como solucionar o problema

A solução desse problema demanda tratamento de fases anteriores ao processo de avaliação. Demanda preparo dos líderes. Além disso, requer uma revisão criteriosa na definição dos desempenhos e competências. Esse trabalho deve envolver um esforço conjunto do RH e das lideranças!

Para entender melhor o bom e o mau uso da Matriz 9 Box, acesse os materiais complementares, que explicam com mais detalhes os problemas, os caminhos e soluções:

Materiais complementares:

Clique aqui para assistir o vídeo

Denise Lustri – CEO da Cohros. Mestre em Administração pela FEA/USP. Instagram: @deniselustri ​https://www.youtube.com/user/cohrostv 

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email